PIB do Agronegócio de São Paulo

O PIB do Agronegócio do Estado de São Paulo é calculado pelo Cepea com apoio financeiro da Federação das Indústrias do estado de São Paulo (Fiesp).
 

                                                                                           

 


O PIB do Agronegócio de São Paulo representa cerca de 20% do PIB do Brasil. Em relação à economia paulista, a participação do agronegócio é de aproximadamente 15%, gerando também perto de 15% dos empregos formais do estado. A maior parte desses empregos está na agroindústria (35%) e em serviços (47%), ficando o segmento primário com 16%. Esses números não incluem o trabalho da mão de obra familiar, importante nas propriedades rurais menores.

 

2016 Relatório Completo

 

2015  Relatório Completo

 

2014 Relatório Completo

 

2016: PIB do agronegócio paulista cresce 7,4% em 2016

 

Depois de recuar 3,8% em 2015, o PIB total brasileiro se retraiu novos 3,6% no fechamento de 2016 (IBGE/Contas Nacionais Trimestrais). Segundo dados da Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados), observou-se baixa semelhante no estado de São Paulo, com o PIB recuando 3% no ano na comparação com 2015. Além disso, a taxa de desocupação da força de trabalho foi crescente ao longo do ano, tanto no Brasil quanto no estado. No País, a taxa passou de 10,9% no primeiro trimestre de 2016, para 12% no último trimestre do ano. Na mesma comparação, no estado de São Paulo, o percentual passou de 12% para 12,4% (IBGE/Pnad Contínua Trimestral). 


A conjuntura econômica desfavorável afetou os resultados do agronegócio de São Paulo em diferentes atividades e segmentos. No segmento de insumos, a indústria de máquinas e equipamentos agrícolas sentiu o efeito da falta de confiança dos agentes econômicos do agronegócio. No ramo pecuário, a demanda retraída por carnes limitou os resultados, seja dentro da porteira ou nos elos industriais das cadeias. Para as agroindústrias cujos resultados são atrelados ao mercado interno, o cenário econômico desfavorável também impactou negativamente no desempenho, como observado para as indústrias moveleira, têxtil, vestuarista e de calçados. 


Com isso, seja para o agregado nacional ou para o estado de São Paulo, reduções no volume de produção marcaram o desempenho do agronegócio. No caso do agronegócio brasileiro, retrações de produção foram verificadas em todos os segmentos, inclusive “dentro da porteira”. Já no agronegócio paulista, o cenário em termos de produção é um pouco menos desfavorável, com expansão do volume de produção nos segmentos primário agrícola e no de insumos.  


Apesar das reduções gerais de produção em 2016, tendo em vista que o PIB do agronegócio, calculado pelo Cepea-Esalq/USP, acompanha a renda real do setor (são consideradas as variações reais de preço das diversas atividades componentes do agronegócio), observou-se efeito positivo sobre o PIB da valorização real de preços no ano. Deste modo, o PIB do agronegócio do estado de São Paulo cresceu 7,4% em 2016. Pode-se dizer, então, que os agentes do agronegócio em conjunto tiveram renda real maior em 2016 frente a 2015.


O resultado positivo do agronegócio paulista atrelou-se principalmente à elevação de 8,9% no ramo agrícola – o ramo pecuário também cresceu, mas a uma taxa mais modesta, de 0,8%. Pela ótica dos segmentos, o agronegócio foi ainda impulsionado pela expansão relevante do PIB do segmento primário, de 19,7%, e pelos crescimentos da agroindústria (5,9%), dos insumos (4,8%) e dos agrosserviços (6,4%).

 

Contato

pibcepea@usp.br

Equipe

Equipe

Coordenador
Geraldo Sant'Ana de Camargo Barros, Ph.D 
Professor sênior Esalq/USP; coordenador científico do Cepea

 


Pesquisadores Cepea
Adriana Ferreira Silva, Dra.
Arlei Luiz Fachinello, Dr.
Nicole Rennó de Castro, MSc
Leandro Gilio, MSc
 


Equipe de apoio
Gustavo Ferrarezi Giachini,  Bel.

Séries de Preços