Mercado de Trabalho do Agronegócio

Variação na população ocupada (PO) do agronegócio e seus segmentos (jan-dez/17 x  jan-dez/16):

 

Insumos

10,2%

Primário

-6,0%

Agroindústria

2,4%

Agrosserviços

2,4%

Agronegócio total

-1,6%

Boletim Mercado de Trabalho

 

 

Comentários de 2017:

No ano passado, o agronegócio foi o grande responsável pelo crescimento do PIB nacional, com relevante aumento de produção, segundo afirmam pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Em movimento contrário ao crescimento do PIB, o número de pessoas trabalhando em atividades do agronegócio diminuiu 1,6% em 2017 frente a 2016, passando de 18,53 para 18,24 milhões de pessoas. Na mesma comparação, o contingente de ocupados no Brasil como um todo ficou praticamente estável, encerrando o ano com 90,6 milhões de pessoas. Assim, segundo cálculos do Cepea, a participação do agronegócio no total de ocupados no Brasil foi de 20,1% em 2017, contra 20,5% no ano anterior.

 

Considerando-se a avaliação por segmentos, pesquisadores do Cepea destacam que a redução dos ocupados no agronegócio foi influenciada unicamente pelo segmento primário, que registrou baixa de 6% no contingente de trabalhadores. Já os empregos nos elos industriais e de serviços aumentaram em 2017. 

 

Destaca-se a contradição na agropecuária. Enquanto o PIB (em volume) desse segmento cresceu cerca de 17,1% em 2017 (consideradas informações até novembro/17), a mão de obra relacionada a essas atividades foi 6% menor. Como apontado em análises anteriores divulgadas pelo Cepea, o ano passado foi marcado pela redução da população ocupada na agropecuária, principalmente trabalhadores rurais por conta própria, localizados principalmente no Nordeste, e vinculados a atividades de menor importância econômica no que se refere a valor de produção – o que explica os movimentos em direções divergentes para PIB e trabalho.

 

Quanto aos níveis de escolaridade, houve baixa relevante no número de ocupados sem instrução no agronegócio (-34,3%), com aumentos para todas as demais categorias, sobretudo para pessoas com Ensino Superior.

 

Avaliando-se por gênero, a queda nos ocupados do agronegócio foi marcada essencialmente por homens, com o contingente de mão de obra feminina no agronegócio permanecendo praticamente estável frente a 2016.

Contato

cepea@usp.br

Equipe

Equipe

Coordenação

Geraldo Sant’Ana de Camargo Barros

 

Equipe técnica

Nicole Rennó Castro

Leandro Gilio

Ana Carolina de Paula Morais

Alexandre Nunes de Almeida

Marcello Luiz de Souza

Séries de Preços