Metodologia Índice de Exportação

Este índice considera os preços em dólares FOB (incluem custos de transporte até o navio que segue para o país importador) das exportações do agronegócio brasileiro, incluindo produtos agropecuários in natura e processados. Ou seja, refere-se aos preços unitários recebidos pelos exportadores por categoria de produto. O acompanhamento desse índice é essencial para analisar a evolução do mercado externo de cada produto bem como a formação do preço recebido pelo produtor nacional. No cálculo do IPE-Agro/Cepea utilizam-se dados de exportações do sistema MDIC/Aliceweb (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - Sistema Aliceweb) desde 1989.

 

Para compor o índice foram selecionados os produtos classificados como componentes do agronegócio, descritos no Sistema de Importações e Exportações do Agronegócio do Instituto de Economia Agrícola (IEA, 2002).

 

A partir deste sistema os produtos foram agrupados em 17 categorias (agregados), incluindo:

 

(a) bens de capital/insumos (fertilizantes e corretivos, químicos para defesa da agricultura, máquinas e peças) e (b) o agronegócio, que engloba o segmento de básicos e segmento industrial e foi subdividido em: Têxteis, Bovídeos – Bovinos, Pescado, Café e Estimulantes, Cana e Sacarídeas, Frutas, Olerícolas, Flores e Ornamentais, Cereais/Leguminosas/Oleaginosas, Gorduras Vegetais, Grãos para Consumo Direto, Produtos Florestais, Fumo, Agronegócios Especiais (nichos da produção animal); e, Nichos da Produção Vegetal. Porém, o capítulo 17 (bens de capital/insumos) não entre na composição dos índices.

 


IC-AGRO/CEPEA - Índice de Câmbio Efetivo do Agronegócio Brasileiro

 

O IC-Agro/Cepea é o índice de câmbio efetivo do agronegócio brasileiro. Representa uma média ponderada das taxas de câmbio, em valores reais, dos 10 parceiros comerciais do Brasil mais importantes. A taxa efetiva de câmbio representa uma cesta de moedas estrangeiras em que o valor de cada moeda é ponderado pelo peso relativo de cada país no valor exportado pelo agronegócio brasileiro. A ponderação é calculada anualmente com base na participação dos 10 principais países nos últimos 3 anos. 

 

Foram utilizados os dados disponíveis para: Estados Unidos, Japão, Alemanha, Países Baixos (Holanda), Itália, Argentina, França, Reino Unido, Canadá, Chile, Espanha, Paraguai e China, para os anos de 1989 a 1995; e para a Zona do Euro, Estados Unidos, Argentina, Japão, China, Paraguai, Uruguai, Chile, Rússia, Coréia do Sul, Canadá, Venezuela, e Hong Kong de acordo com a participação de cada país nas exportações do Brasil a partir de 1996. 
Para o cálculo deste Índice, são coletadas informações mensais sobre os valores de câmbio e de inflação dos países listados acima. As fontes são páginas eletrônicas do FMI, do Banco Central do Brasil, do IPEA e os sites oficiais de estatísticas dos países de maior corrente de comércio de produtos do agronegócio com o Brasil.

 


IAT-AGRO/CEPEA - Índice de Atratividade das Exportações do Agronegócio

 

O IAT-Agro/Cepea resulta da multiplicação dos dois índices anteriores. Assim, a atratividade das exportações pode crescer tanto porque os preços em dólares (IPE-Agro/ Cepea) cresceram como porque o Real desvalorizou em relação a outras moedas (IC-Agro/Cepea).

 


IVE-AGRO/CEPEA - Índice de Volume de Exportações do Agronegócio

 

O IVE-Agro/Cepea mede a evolução do volume físico de exportações do agronegócio brasileiro. Para seu cálculo, são coletadas informações do sistema AliceWeb, da Secex.

 

Nota: O IC-Agro usa como base os 10 maiores importadores; o IPE-Agro e oIVE-Agro consideram todas as exportações do agronegócio para todos os destinos, independente da participação de cada um.

 

Para acessar a metodologia detalhadada, clique aqui.