A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Ainda somos competitivos em relação aos nossos concorrentes?

A agricultura brasileira é acompanhada e avaliada frequentemente pelos nossos concorrentes. Para algumas commodities, o País deixou o papel secundário e passou a dividir o holofote com outros protagonistas. Dentre os produtos agrícolas, a soja e o milho registraram forte crescimento mundial na última década, em que o Brasil assumiu papel fundamental para tal situação.

 

A produção média brasileira de soja era de 45 milhões de toneladas entre 2000 e 2002 e passou para 101,8 milhões entre 2014 e 2016, aumento de 122,2% no período. Já os EUA produziram, em média, 76,2 milhões de toneladas da oleaginosa entre 2000 e 2002, passando para 110,3 milhões de toneladas entre 2014 e 2016, elevação de 44,7%. No caso do milho, a produção média nos EUA foi de 364 milhões de toneladas entre 2014 e 2016, incremento de 51% em relação ao triênio 2000 a 2002 (240 milhões de toneladas). Quanto ao Brasil, a produção foi de 83 milhões de toneladas entre 2014 e 2016 contra 41 milhões de toneladas entre 2000 e 2002 – a produção brasileira dobrou nesses 16 anos. 

 

Esses valores mostram o quanto o Brasil se tornou importante no cenário mundial na oferta de soja e milho. Porém, um outro país vem chamando a atenção no mercado internacional de grãos, que é a Ucrânia. No triênio de 2000 a 2002, a quantidade média exportada de milho foi de 520 mil toneladas, mas passou para expressivos 18,4 milhões de toneladas no triênio de 2014 a 2016. O Brasil, segundo maior exportador do cereal, exportou 27,5 milhões de toneladas no mesmo período. Quanto à soja, por outro lado, o volume embarcado pela Ucrânia foi de 2,5 milhões de toneladas no triênio de 2014 a 2016, que é aproximadamente 22 vezes menor que o do Brasil. Mas em 2000/2002 a média exportada pela Ucrânia era de apenas 6,7 mil toneladas.

 

A forte expansão da produção de milho e soja na Ucrânia se deve à grande entrada de capital estrangeiro, sendo que grupos de investidores e produtores arrendam a terra e introduzem novas máquinas, técnicas de cultivos e cultivares desde o colapso do comunismo. As justificativas dos estrangeiros em investir na Ucrânia são diversas, tais como: solo fértil, baixo custo de produção, disponibilidade de mão de obra e baixo custo da terra. Essa vantagem competitiva ainda presente na Ucrânia proporciona rentabilidade positiva para as lavouras de milho e soja. Por exemplo, a rentabilidade média de três safras (2012/13 a 2015/16) sobre o custo total de produção ficou em 17% para soja e em 18% para o milho – no Brasil, 18% para soja e -27% para o milho segunda safra. É grande a importância da logística na competitividade comparada. A principal região produtora de milho na Ucrânia está de 300 a 600 km distante do porto de exportação (Black Sea), sendo o escoamento via trem. No Brasil, essa distância é de 150 a 2.200 km e a produção é escoada via caminhão.

 

O Brasil continuará como uns dos principais potenciais produtores de alimentos para o mundo, devido à disponibilidade dos recursos naturais, mas as discussões não podem ficar concentradas na disponibilidade de área agrícola. Falta avançar a discussão sobre o montante financeiro necessário para tornar as novas fronteiras agrícolas competitivas no mercado global. Incluem-se aí, tratar da questão logística, garantir a posse da propriedade privada, reduzir a burocracia no tempo de registro de novos produtos químicos nos órgãos competentes, diminuir o peso dos cartórios e do estado na transação comercial e outros gargalos que reduzem a competitividade fora da porteira. 

 

Enquanto isso, a exemplo da Ucrânia, há outras terras nos países da Ex-URSS e no leste europeu que ainda preservam a burocracia do modelo socialista, apresentando respostas mais rápidas que o Brasil para os seus problemas internos, tornando-se locais mais atrativos para investimento estrangeiro. 

04/10/2021 - Com embarque recorde na parcial do ano, exportação brasileira de frutas pode, finalmente, atingir US$ 1 bi em 2021 - Fernanda Geraldini 27/09/2021 - Quebra da produção e demanda maior elevam preços do etanol na safra 21/22 - Ivelise Rasera Bragato Calcidoni 14/09/2021 - Mudanças no mercado mundial de mandioca e derivados e oportunidades para o Brasil - Fábio Isaias Felipe 31/08/2021 - Alto preço de fertilizante desafia produtor - Mauro Osaki 23/08/2021 - Por que não consumimos mais frutas e hortaliças? - Margarete Boteon 17/08/2021 - Equipe Pecuária: muito além do Indicador - Shirley Martins Menezes Svazati 26/07/2021 - Contratos futuros de milho, precificação regional e gestão de riscos - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 12/07/2021 - Risco de apagão e racionamento de energia elétrica: de volta para o futuro? - Heloisa Lee Burnquist e Danielle Mendes Thame Denny 14/06/2021 - Agronegócio brasileiro: importância e complexidade do setor - Gabriel Costeira Machado 19/04/2021 - Segurança alimentar e o papel do Brasil na oferta mundial de alimentos - Andréia Adami 07/04/2021 - Qual é a diferença entre o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 e os preços regionais do Cepea? - Gabriela Garcia Ribeiro 18/03/2021 - Mercado de trabalho e pandemia: agronegócio evidencia resiliência frente a crises - Felipe Miranda de Souza Almeida 22/02/2021 - O leite no Cepea e o Cepea no leite - Natália Grigol 11/02/2021 - Mercado de Commodities Agrícolas: um novo Boom? - Geraldo Barros 01/02/2021 - Variações de preços de grãos, fibras e amidos: do campo ao mercado varejista - Lucilio Rogerio Aparecido Alves
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado