A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Alta de preço do arroz ameniza, mas está longe de saldar prejuízos das últimas cinco safras

Pesquisas realizadas pelo Cepea em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) mostram que a orizicultura sul-rio-grandense registrou rentabilidade negativa da safra 2014/15 até 2018/19, tendo como dois piores momentos as temporadas 2017/18 e 2018/19.

 

Na safra 2017/18, mesmo colhendo uma produtividade acima da média histórica, a receita bruta não saldou o Custo Operacional Efetivo (COE), devido ao baixo preço do cereal no mercado doméstico. Por outro lado, 2018/19 foi bastante prejudicada por intempéries climáticas do início e no fim da temporada, resultando em queda de produtividade e, em casos mais extremos, em perda de área de produção, em decorrência de alagamentos.

 

Na safra 2019/20, depois de cinco temporadas com receitas brutas inferiores aos Custos Totais (CT) de produção, finalmente, o produtor conseguiu saldá-los. O Custo Operacional Efetivo ficou, em média, em R$ 7.407,2/hectare e o CT, em R$ 9.009,7/ha, resultando em margem bruta de R$ 4.049/ha e em lucro de R$ 1.533/ha. Apesar disso, os prejuízos das safras anteriores ficaram longe de serem recuperados.

 

Nas últimas cinco safras (de 2014/15 a 2018/19), os produtores típicos de Uruguaiana (RS) conseguiram saldar o COE, mas a Receita Bruta (RB) obtida não foi capaz de quitar a depreciação das máquinas e equipamentos nas safras 2017/18 e 2018/19, assim como o juro sobre o capital investido nas cinco temporadas. Além disso, a receita bruta não saldou o custo total destas cinco safras. Esse cenário, somado ao alto endividamento, acabou por comprometer muito o caixa dos produtores e por resultar em rolagem dessas pendências financeiras para safras seguintes.

 

A consequência do acúmulo do saldo econômico negativo de uma safra para outra, por sua vez, dificulta a captação de recurso financeiro para o custeio das temporadas subsequentes. Nesse sentido, muitos orizicultores não têm acesso (ou têm acesso restrito), por exemplo, ao recurso financeiro governamental do Plano Safra, que oferece menores taxas de juros. E isso força o produtor a recorrer ao financiamento de custeio com agentes de mercado com taxas de juros elevadas e/ou a vender antecipadamente uma parte expressiva da sua produção para as indústrias. Esse problema agrava-se quando ocorre uma frustração de safra.

 

Poucos orizicultores se beneficiam de preço recorde do arroz em casca

O atual preço do arroz está elevado, mas isso não significa que esse valor está chegando integralmente ao produtor rural, uma vez que muitos antecipam a venda da produção, modalidade de comercialização verificada com maior frequência nas últimas temporadas. Nas últimas cinco safras, pelo menos 1/3 da produção de arroz foi negociada antecipadamente com as cerealistas e indústrias. A outra parcela é comercializada no período da colheita, para saldar os compromissos de curto prazo. Portanto, poucos produtores rurais estão se beneficiando do atual patamar recorde nos preços do arroz.

 

Vale lembrar que o custo de produção tem aumentado nessas cinco safras, por conta, especialmente, do encarecimento da energia elétrica para a irrigação e dos acréscimos nos valores do diesel e do frete rodoviário. Quanto ao fertilizantes e defensivos agrícolas, as elevações dos preços estão atreladas ao dólar alto, visto que grande parte da matéria-prima utilizada para a produção desses insumos é importada.

 

Como a capacidade de reinvestimento na propriedade está baixa, observam-se aumento de operação com máquinas obsoletas e menos eficientes e a substituição de área de arroz por atividades mais rentáveis, como a soja, e, em casos mais extremos, a saída da atividade.

04/10/2021 - Com embarque recorde na parcial do ano, exportação brasileira de frutas pode, finalmente, atingir US$ 1 bi em 2021 - Fernanda Geraldini 27/09/2021 - Quebra da produção e demanda maior elevam preços do etanol na safra 21/22 - Ivelise Rasera Bragato Calcidoni 14/09/2021 - Mudanças no mercado mundial de mandioca e derivados e oportunidades para o Brasil - Fábio Isaias Felipe 31/08/2021 - Alto preço de fertilizante desafia produtor - Mauro Osaki 23/08/2021 - Por que não consumimos mais frutas e hortaliças? - Margarete Boteon 17/08/2021 - Equipe Pecuária: muito além do Indicador - Shirley Martins Menezes Svazati 26/07/2021 - Contratos futuros de milho, precificação regional e gestão de riscos - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 12/07/2021 - Risco de apagão e racionamento de energia elétrica: de volta para o futuro? - Heloisa Lee Burnquist e Danielle Mendes Thame Denny 14/06/2021 - Agronegócio brasileiro: importância e complexidade do setor - Gabriel Costeira Machado 19/04/2021 - Segurança alimentar e o papel do Brasil na oferta mundial de alimentos - Andréia Adami 07/04/2021 - Qual é a diferença entre o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 e os preços regionais do Cepea? - Gabriela Garcia Ribeiro 18/03/2021 - Mercado de trabalho e pandemia: agronegócio evidencia resiliência frente a crises - Felipe Miranda de Souza Almeida 22/02/2021 - O leite no Cepea e o Cepea no leite - Natália Grigol 11/02/2021 - Mercado de Commodities Agrícolas: um novo Boom? - Geraldo Barros 01/02/2021 - Variações de preços de grãos, fibras e amidos: do campo ao mercado varejista - Lucilio Rogerio Aparecido Alves
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado