A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Como a cadeia de suprimentos do FLV* pode priorizar a ''qualidade''?

Pode parecer estranha a pergunta. A razão de toda a organização de uma cadeia de suprimentos não é justamente atender os anseios do consumidor com um produto seguro e de qualidade? Mas, para o consumidor se tornar PRIORITÁRIO, é importante uma maior COORDENAÇÃO e INTEGRAÇÃO entre os agentes da cadeia. É preciso mais coordenação para exigir e fiscalizar padrões mínimos em prol da qualidade e uma integração maior entre os elos da cadeia, especialmente uma proximidade entre o produtor e o varejo.

 

A falta de COORDENAÇÃO da cadeia de FLV (frutas, legumes e verduras) é apontada como principal limitante para modernização do setor. Sem ela, é difícil incluir agendas importantes como: padronização, rastreabilidade e segurança do alimento. Mas, de quem é a responsabilidade de promover essa coordenação? Do governo, das centrais de abastecimento, das associações de produtores, do varejo ou do consumidor? O que se observa é que todos os avanços registrados em prol da coordenação da cadeia são descentralizados e empreendidos por iniciativas de empresas isoladamente, ora do produtor, ora do varejo ou das centrais de abastecimento. A falta de coordenação das iniciativas entre esses elos da cadeia e a ausência de um projeto mais amplo em prol da modernização limitam os benefícios na forma de melhor qualidade (sob conceito mais amplo) para o setor como um todo.

 

O primeiro passo para melhoria da qualidade é ter uma linguagem única na cadeia, por meio da PADRONIZAÇÃO. Padronizar é muito mais do que definir o tamanho do hortifrúti. Estabelecer um padrão de qualidade é dar garantia ao produtor, comerciante e consumidor sobre as características e qualidade do produto, proporcionando uma linguagem comum entre os agentes da cadeia. Mas, por quê o setor ainda não avançou neste requisito básico? A principal resposta é a baixa exigência dos compradores aliada à uma infraestrutura limitada de classificação, concentrada em produtores de grande escala. Há, também, “pré-conceitos” por parte de alguns agentes do setor em dar um passo à frente na padronização – o principal é que a padronização pode dificultar o escoamento de produtos de qualidade inferior. No geral, esse argumento não tem base econômica, visto que o mercado avança se o produto é confiável. 

 

O setor ainda está longe de uma linguagem única quanto aos padrões dos hortifrútis que permita uma precificação por critérios objetivos e transparentes. Para o avanço do setor neste quesito (padronização), duas ações são essenciais: a precificação por peso e a não comercialização da fruta verde. Isso já permitiria menos distorções quanto à precificação ao longo da cadeia e uma melhoria na qualidade do produto. 

 

Contudo, essa discussão necessária de padronização, por si só, está muito aquém dos asseios do consumidor quanto à qualidade no conceito expandido (incluindo não só sua aparência, mas a maturação e a segurança do alimento em termos de resíduos tóxicos). É preciso avançar mais, porém, isso só é possível com uma INTEGRAÇÃO maior entre o produtor e o varejo. 

 

Uma das formas de integração seria a cadeia adotar o “Manuseio Mínimo” – em resumo: o produto depois de embalado na origem não é mais manuseado. O objetivo é diminuir a manipulação do produto que chegaria ao consumidor na embalagem que recebeu na origem (roça). Iniciativa como essa não ficaria restrita a um só elo do setor, já que todos teriam que se adequar para comercializar um produto embalado, inclusive o varejo. Além disso, iniciativas de padronização, rastreabilidade e conveniência (produto embalado) tenderiam a ser fomentadas a partir do Manuseio Mínimo. 

 

A dúvida é: quem se habilita a coordenar a cadeia com o Manuseio Mínimo para beneficiar a todos? A grande questão é como coordenar a cadeia para conseguir prover o manuseio mínimo, já que é uma política que vai englobar vários elos da cadeia.  Algumas redes de supermercados já se organizaram junto aos seus fornecedores para ofertar um produto que praticamente não é mais manipulado pela rede. No entanto, para que iniciativas isoladas e bem intencionadas se mantenham viáveis, é importante uma formalização do setor como um todo, sempre com o enfoque geral da qualidade.

 

*Frutas, legumes e verduras

20/02/2019 - Estados Árabes, um mercado com grande potencial de crescimento para o agronegócio brasileiro - Andréia Adami 05/02/2019 - Como modernizar as Centrais de Abastecimento do País? - Margarete Boteon 23/01/2019 - Bodas de Prata do Indicador do Boi ESALQ/BM&FBovespa - GABRIELA GARCIA RIBEIRO 11/12/2018 - Por que mudar a metodologia de cálculo do preço do leite ao produtor? - NATÁLIA GRIGOL 22/11/2018 - A Economia da proteção fitossanitária e seus desafios - Sílvia Miranda 12/11/2018 - Safras de soja, milho e algodão devem ser maiores: o que esperar para os preços? - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 22/10/2018 - A competitividade da indústria de amido de mandioca no Brasil e na Tailândia - Fábio Isaías Felipe 08/10/2018 - As três quebras de paradigmas da pecuária de corte - Thiago Bernardino de Carvalho 24/09/2018 - Intensificação da Sustentabilidade Agropecuária gera novas atribuições - Heloisa Lee Burnquist 03/09/2018 - O crescimento do agronegócio realmente tem se refletido em maior renda para agentes do setor? - Leandro Gilio e Nicole Rennó 14/08/2018 - Competir em um mercado de qualidade: por onde começar? - Shirley Menezes 19/07/2018 - Quais políticas (os) queremos para o Brasil? - Carlos Vian 03/07/2018 - A velha política de transferir o ônus para a sociedade - Mauro Osaki 03/07/2018 - Alimentos e crise logística no Brasil - Geraldo Barros e Mauro Osaki 26/06/2018 - Os mercados de produtos florestais no Brasil em 2017 e 2018 - Carlos José Caetano Bacha
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado