A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

O Brasil na Revolução 4.0

Vivemos um tempo em que as inovações são corriqueiras. Constantemente, somos informados de novas tecnologias, de usos alternativos às existentes, de aplicativos e sistemas informatizados mais modernos e seguros. Também temos acesso a produtos de consumo com pequenas melhorias, com mais recursos do que os existentes e outros totalmente diferentes. A velocidade da mudança ultrapassa nossa capacidade de nos mantermos atualizados.

 

Alguns autores denominam esta fase de “Revolução 4.0” ou “Quarta Revolução Industrial”, sendo caraterizada pela “ultra aceleração” na geração e difusão de novas tecnologias. 

 

Esse processo evolutivo começou com a adoção da divisão do trabalho nas oficinas de artesanato, surgindo, assim, a manufatura. A gênese da “Evolução Industrial” foi com a adoção da máquina a vapor como força motriz, substituindo a tração animal, nas minas e fábricas têxteis da Inglaterra. Este processo continuou com a energia elétrica (térmica e hidro), motores a combustão, energia nuclear, chegando aos modernos motores elétricos, células de combustível, painéis solares e turbinas eólicas. Por outro lado, a incorporação de novas tecnologias permitiu controles de processo cada vez mais precisos e automatizados.

 

Assim, pode-se dividir o processo em 3 fases (Revoluções). A primeira foi a introdução da água e do vapor para movimentar as máquinas; na segunda, passou-se a usar energia elétrica, motores a combustão interna e a divisão do trabalho em unidades de produção cada vez maiores; na terceira, utilizou-se a tecnologia da automação da produção para controlar o funcionamento das fábricas. 

 

A quarta fase (4.0) é baseada na utilização da internet das coisas, inteligência artificial, biotecnologia, entre outras inovações, que estão modificando o nosso dia a dia e a rotina dos negócios ao redor do mundo. Tudo está conectado via internet, máquinas pessoas, sensores, etc.

 

Há alguns anos, empresas multinacionais e alguns governos reconheceram o potencial “disruptivo” destas tecnologias e incorporaram o assunto nas suas agendas estratégicas. A Academia não ficou alheia a este movimento dos Estados e das Empresas. As pesquisas acadêmicas nas áreas de software, engenharia, inteligência artificial, educação e tecnologia da informação estão crescendo em vários países, com destaque para a Alemanha, Estados Unidos, China, Austrália e Coréia do Sul. 

 

Deve-se destacar que estes esforços estão mudando a relação entre os agentes econômicos, com a adoção de parcerias no desenvolvimento de tecnologias, registro conjunto de patentes e colaboração para financiar startups que desenvolvam novas tecnologias.

 

Visando ter um panorama dos desafios e oportunidades das organizações nesta nova fase da economia mundial, a Deloitte realizou uma pesquisa que ressaltou que as empresas estão preocupadas com os impactos social e ambiental das novas tecnologias, via melhoramento de produtos e da satisfação dos clientes. Outro desafio é no campo estratégico, em que as empresas relatam que têm certa dificuldade em selecionar caminhos e tecnologias, o que leva à adoção daquelas que não impactam de forma significativa a produção e a estrutura organizacional no curto prazo. 

 

O estudo também mostra as mudanças na capacitação dos colaboradores das empresas, indicando como estas estão privilegiando o treinamento e a capacitação ao invés de buscar novos talentos no mercado. A preocupação é preparar as pessoas para analisarem os bancos de dados disponíveis, de modo a gerir melhor o negócio, reduzindo ineficiências e melhorando o retorno das empresas.

 

E quanto ao Brasil?


A “ Revolução 4.0 “ ganhou destaque no Brasil nos últimos três anos, quando as empresas multinacionais anunciaram investimentos nesta área e as universidades e o Estado passaram a discutir os desafios dos setores produtivos na adoção de novas tecnologias. O termo startups se destacou na mídia nos últimos dois anos. 

 

A pesquisa da Deloitte anteriormente citada mostra que os empresários brasileiros destacam como principais desafios para o avanço da “Revolução 4.0” a falta de profissionais preparados para o uso das tecnologias e o desconhecimento sobre todas as competências necessárias para a força de trabalho nesta nova era. Assim, o ponto de atenção mais relevante é a preparação das pessoas para atuarem neste novo ambiente produtivo e competitivo. Este desafio envolve as universidades, empresas, centros de tecnologia, escola técnicas e centros de formação como Senai, Sesi, Senar, entre outros.

 

Mas a área de maior destaque, ao meu ver, é a do agronegócio. A agricultura 4.0 está na vanguarda do processo no Brasil. A agricultura de precisão foi a primeira onda e a utilização de equipamentos georreferenciados. Nos últimos tempos, cresceu a oferta de sensoriamento remoto, internet das coisas, drones, softwares, etc. 

 

A agricultura brasileira tem, em alguns segmentos, nível tecnológico semelhante aos de outros grandes produtores, como Estados Unidos e Europa, o que facilita a adoção da tecnologia desenvolvida no exterior e a adaptação da mesma ao contexto nacional, a denominada “tropicalização”. 

 

O Brasil precisa melhorar a sua posição na pesquisa e na difusão destas tecnologias, na análise de impacto do uso na produtividade e na eficiência da agricultura e da pecuária. Além disto, precisamos discutir como reduzir o custo de aquisição e de implantação das novas técnicas no campo, ampliando a taxa de adoção pelos agricultores. 

 

Só com capacitação de pessoas a adoção de tecnologia gerará resultados positivos e vamos colher os frutos da “Revolução 4.0” no Brasil e, especificamente, no agronegócio, tornando-o mais sustentável e eficiente.

18/03/2019 - Emprego feminino no setor sucroenergético evolui em qualidade, mas participação ainda é baixa - Leandro Gilio 20/02/2019 - Estados Árabes, um mercado com grande potencial de crescimento para o agronegócio brasileiro - Andréia Adami 05/02/2019 - Como modernizar as Centrais de Abastecimento do País? - Margarete Boteon 23/01/2019 - Bodas de Prata do Indicador do Boi ESALQ/BM&FBovespa - GABRIELA GARCIA RIBEIRO 11/12/2018 - Por que mudar a metodologia de cálculo do preço do leite ao produtor? - NATÁLIA GRIGOL 22/11/2018 - A Economia da proteção fitossanitária e seus desafios - Sílvia Miranda 12/11/2018 - Safras de soja, milho e algodão devem ser maiores: o que esperar para os preços? - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 23/10/2018 - A competitividade da indústria de amido de mandioca no Brasil e na Tailândia - Fábio Isaías Felipe 08/10/2018 - As três quebras de paradigmas da pecuária de corte - Thiago Bernardino de Carvalho 24/09/2018 - Intensificação da Sustentabilidade Agropecuária gera novas atribuições - Heloisa Lee Burnquist 03/09/2018 - O crescimento do agronegócio realmente tem se refletido em maior renda para agentes do setor? - Leandro Gilio e Nicole Rennó 14/08/2018 - Competir em um mercado de qualidade: por onde começar? - Shirley Menezes 19/07/2018 - Quais políticas (os) queremos para o Brasil? - Carlos Vian 03/07/2018 - A velha política de transferir o ônus para a sociedade - Mauro Osaki 03/07/2018 - Alimentos e crise logística no Brasil - Geraldo Barros e Mauro Osaki
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado