A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Perspectivas para agronegócio são favoráveis à sociedade em 2017

As expectativas para a agropecuária para o ano de 2017 apresentam-se, no geral, favoráveis para a sociedade brasileira. Antecipa-se um aumento no volume produzido significativo. Por exemplo, no caso de grãos, após uma queda de 10% na safra anterior, para 2017 espera-se crescimento de 15%. 

 

É claro que não se pode desconsiderar eventos climáticos severos como têm ocorrido com certa frequência; mas, afora isso, o cenário é favorável, com boa oferta tanto para o abastecimento interno – mantendo a inflação sob controle – como para as exportações – provendo o País com reservas que ajudarão na redução do déficit em conta corrente previsto. O produtor deve manter-se atento a certos fatores que lhe escapam do controle e podem comprometer a sua rentabilidade. 

 

Por um lado, a economia brasileira deve apresentar crescimento muito baixo – sendo 0,5% um resultado otimista neste momento. O desemprego e a queda nos salários podem prosseguir, enquanto os governos federal, estaduais e municipais lutam no processo de ajuste fiscal em que deverão se aprofundar em 2017. Isso pode atingir os preços dos produtos voltados principalmente ao mercado interno. Há, na verdade, uma expectativa de a oferta maior da agricultura ajude o desempenho do restante da economia; entretanto, dado o pequeno porte relativo do setor (5% do PIB) não há como ocorrer esse resultado. Se auxiliar no combate à inflação, a agricultura já terá ajudado bastante.  

 

Do lado externo, alguns fatores demandam atenção. A demanda por produtos agropecuários brasileiros deverá manter-se relativamente firme, mas o possível aumento dos juros internacionais (“efeito Trump”), que viria junto com uma valorização da moeda norte-americana, poderá provocar uma queda dos preços em dólar de nossas exportações. O impacto disso para os produtores brasileiros depende do que acontecerá com o dólar no mercado interno. Se as questões políticas e fiscais se acalmarem, a moeda norte-americana no Brasil deverá manter-se estável ou em leve queda. Com isso, haverá certa queda nos preços ao produtor. Mas se a situação sair de controle, o dólar no Brasil deverá subir para patamares bem altos, o que, em princípio, ajudaria o produtor. Mas os riscos econômicos e financeiros podem ser sérios, principalmente para agentes que têm dívida em dólares. 

 

Outro ponto de preocupação tem a ver com o comportamento do preço do petróleo. Houve um aumento para outro patamar o que para o produtor significa possíveis altas nos preços dos insumos – combustíveis, fertilizantes e defensivos. Essa pressão de custos se agravará caso o dólar suba em demasia no mercado interno. O dólar alto no Brasil ajuda o produtor pelo lado da receita, mas prejudica pelo lado do custo. Em geral, no balanço, o primeiro efeito predomina.

11/12/2018 - Por que mudar a metodologia de cálculo do preço do leite ao produtor? - NATÁLIA GRIGOL 22/11/2018 - A Economia da proteção fitossanitária e seus desafios - Sílvia Miranda 12/11/2018 - Safras de soja, milho e algodão devem ser maiores: o que esperar para os preços? - Lucilio Rogerio Aparecido Alves 23/10/2018 - A competitividade da indústria de amido de mandioca no Brasil e na Tailândia - Fábio Isaías Felipe 08/10/2018 - As três quebras de paradigmas da pecuária de corte - Thiago Bernardino de Carvalho 24/09/2018 - Intensificação da Sustentabilidade Agropecuária gera novas atribuições - Heloisa Lee Burnquist 03/09/2018 - O crescimento do agronegócio realmente tem se refletido em maior renda para agentes do setor? - Leandro Gilio e Nicole Rennó 14/08/2018 - Competir em um mercado de qualidade: por onde começar? - Shirley Menezes 19/07/2018 - Quais políticas (os) queremos para o Brasil? - Carlos Vian 03/07/2018 - A velha política de transferir o ônus para a sociedade - Mauro Osaki 03/07/2018 - Alimentos e crise logística no Brasil - Geraldo Barros e Mauro Osaki 26/06/2018 - Os mercados de produtos florestais no Brasil em 2017 e 2018 - Carlos José Caetano Bacha 11/06/2018 - No agro, atividade canavieira tem o maior índice de formalização e o menor de trabalho infantil - Mirian Rumenos Piedade Bacchi 22/05/2018 - O desafio de prospectar mercados externos promissores, mas pouco conhecidos do Brasil - SÍLVIA MIRANDA 07/05/2018 - O que o agronegócio brasileiro pode esperar de uma disputa comercial entre EUA e China - Andréia Adami
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado