A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Produtividade do trabalho cresce mais no agronegócio que no Brasil e impulsiona PIB do setor

O agronegócio brasileiro representa uma parcela relevante do PIB nacional, em média, 24% de 1996 a 2018. Embora essa parcela oscile anualmente – resultado das dinâmicas comparadas dos preços, produtividade e volumes de capital e trabalho empregados entre o setor e o resto da economia –, esta apresentou tendência de redução consistente de 2004 em diante (até 2014). Segundo dados do Cepea, a relação PIB agronegócio/PIB brasileiro recuou 8,3 p.p. entre 2004 e 2014, passando de 27,36% para 19,06%.

 

O agronegócio teve um papel fundamental para a economia nas últimas duas décadas, produzindo volume crescente de alimentos, fibras e energias a preços relativos decrescentes e, então, dando sustentação às metas do governo de reduzir a pobreza, mas ampliando a geração de divisas (Barros, 2016¹). Pela perspectiva do setor, mesmo com a expansão da produção, o sucesso do agronegócio não se refletiu no seu PIB relativo (frente ao PIB nacional) – situação que, segundo Barros (2016), só teria sido possível diante de importantes avanços em produtividade e na demanda internacional, contexto que limitaria quedas ainda maiores nos preços. 

 

Tendo em vista o papel fundamental do avanço da produtividade do agronegócio, esse texto trata do comportamento dessa variável entre 2004 a 2015. Especificamente, foi calculada a produtividade do trabalho² do agronegócio e seus segmentos. A evolução da produtividade do trabalho reflete as diferenças entre a evolução real do PIB e do total de horas trabalhadas pelas pessoas ocupadas em cada setor de análise. 

 

No tocante ao PIB, segundo dados do Cepea, o agronegócio acumulou crescimento real (em volume) de 21,4% entre 2004 e 2015 (1,8% a.a em média.). O aumento foi impulsionado pelo PIB “dentro da porteira”, que evoluiu a taxa anual de 3,7%. Para insumos, agrosserviços e agroindústria, as taxas foram mais modestas, de 2%, 1,4% e 0,8% ao ano, respectivamente – crescimentos inferiores ao médio nacional, de 3,1% a.a. no período, segundo dados do IBGE. 

 

Já o total de horas trabalhadas no agronegócio, no mesmo período, teve importante redução. O número de pessoas ocupadas (PO) diminuiu 13,3% para o agronegócio (-1,3% a.a.); para os segmentos, houve relativa estabilidade no de insumos, expansão nos agrosserviços (17,4% ou 1,5% a.a.), redução na agroindústria (-3,5% ou -0,3% a.a.) e queda relevante dentro da porteira (-26,4% ou -2,8% a.a.). No mesmo período, para o Brasil, a PO aumentou 1,1% a.a. Paralelamente à redução da PO, a jornada média de trabalho no agronegócio também caiu, 4,8% no acumulado do período, intensificando a queda no número de horas trabalhadas no agronegócio – variável utilizada para cálculo da produtividade do trabalho. 

 

Como resultado, a produtividade do trabalho no agronegócio cresceu a taxas anuais superiores à brasileira em praticamente todos os anos entre 2004 e 2015 (exceto 2012 e 2014), com alta acumulada superando em 16 p.p. a da produtividade da economia como um todo. Para o agronegócio, a expansão da produtividade foi de 46,9% (3,5% a.a.), enquanto para o Brasil, de 31% (2,5% a.a.). Entre os segmentos do agronegócio, no primário, a produtividade do trabalho cresceu 122%, equivalente a um aumento anual de 7,2%. A produtividade dos agrosserviços, seguindo o comportamento do segmento de serviços do Brasil, oscilou ao longo do período, se elevando apenas 4% entre 2004 e 2015. Na agroindústria, o avanço no período foi de 21% (inferior à média nacional), tendo a variável ficado estagnada entre 2004 e 2009.  

 

A partir desses resultados, é possível decompor o crescimento médio anual do PIB dos setores analisados em variações da produtividade do trabalho da população ocupada (produtividade PO) e a própria variação da PO; e então, decompor a variação da produtividade da PO em produtividade das horas trabalhadas (produtividade horas) e jornada média de trabalho (adaptado de Barbosa Filho e Pessôa (2014)³). O resultado dessa decomposição está na Tabela 1.

 

Entre 2004 e 2015, a elevação do PIB do agronegócio foi atribuída ao avanço na produtividade por hora trabalhada no setor, que mais que compensou as reduções na jornada de trabalho e na PO. Como esperado, esse mesmo comportamento é observado na agropecuária, mas de forma ainda mais intensa. Cenário similar também foi verificado no segmento de insumos e na agroindústria, mas com efeito mais modesto da produtividade. Em contraste, para os agrosserviços, o crescimento do PIB seguiu o aumento da PO. No Brasil como um todo, o aumento de produtividade também explica parte relevante do avanço do PIB no período analisado. 

 

Portanto, o avanço da produtividade do trabalho foi elemento determinante para o crescimento do PIB do agronegócio, resultado influenciado sobretudo pela dinâmica da agropecuária. Em outras palavras, o PIB cresceu de forma expressiva ao mesmo tempo em que reduziu, também significativamente, o contingente de pessoas ocupadas no setor. 

 

Por um lado, esse resultado evidencia o sucesso produtivo de um modelo de produção agropecuária baseado nas inovações, com investimentos em tecnologia e capital humano e uso intensivo de insumos cada vez mais modernos. Esse processo coloca o agronegócio em posição de destaque na economia brasileira, com contribuições relevantes para o PIB e o comércio exterior, e também coloca o Brasil em posição de destaque no cenário mundial. Por outro, deve-se enfatizar as implicações sociais negativas desse processo, que acaba implicando em intensificação e concentração da produção, com exclusão e inviabilidade de diversos estabelecimentos menores, e substituição rápida de trabalho por capital – com efeitos sobre o mercado de trabalho que devem ser considerados pelos formuladores de política, sobretudo, por afetarem grupos vulneráveis da sociedade.

 

__________________________________________

¹ Ver: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=28219

² Para as séries de horas trabalhadas, foram utilizados dados da PNAD/IBGE e da RAIS/MTE e procedimentos do Cepea. O PIB Brasileiro foi obtido no SCN/IBGE e o do agronegócio no Cepea/CNA. Complementarmente, foram utilizadas informações das matrizes de insumo-produto divulgadas por Guilhoto e Sesso Filho (2005) e Guilhoto e Sesso Filho (2010), ver: https://guilhotojjmg.files.wordpress.com/2011/05/metodologia-guilhoto-sesso-ea-20051.pdf e https://revistas.ufpr.br/ret/article/view/26912

³  Ver: http://www.scielo.br/pdf/rbe/v68n2/v68n2a01.pdf

voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado