A reprodução dos artigos assinados por pesquisadores do Cepea é permitida desde que citados: o nome do(a) autor(a), sua qualificação profissional e filiação ao Cepea e data da publicação nesta página.

Produzir soja no Brasil custa quase o dobro do que na Argentina

Em 2018, as exportações brasileiras do agronegócio atingiram o recorde de 101 bilhões de dólares e, de acordo com levantamentos do Cepea, os produtos do complexo da soja foram os que mais contribuíram para esse resultado. Apesar desse bom desempenho, a competividade da oleaginosa brasileira é relativamente baixa frente aos principais países concorrentes, como os Estados Unidos e a Argentina.

 

Segundo pesquisas realizadas pelo Cepea, tomando-se como base os valores em moeda nacional e ajustando-se com o índice de paridade do poder de compra (PPP- Purchasing Power Parities), o custo médio de produção de duas fazendas típicas do Brasil (Sorriso/MT e Cascavel/PR) foi de US$ 291,7/tonelada nas últimas cinco safras (de 2013/14 a 2017/18), contra US$ 163,8/t de duas fazendas típicas dos EUA (Iowa e Dakota do Norte) para o mesmo período, ou seja, 78%* mais caro. Em relação à Argentina, o custo médio de produção das duas regiões brasileiras é quase o dobro (85,4%) da verificada no país vizinho, de US$ 157/t.

 

Mesmo considerando-se o sistema de produção – combinação de soja e milho (verão e segunda safra – dupla safra) para o Brasil e soja e milho (safra verão) para a Argentina e os EUA –, a rentabilidade brasileira é inferior à observada nos dois principais concorrentes. Em Sorriso, a rentabilidade (sobre o Custo Operacional Efetivo – COE – do sistema soja + milho) foi de 56%, contra 146% em Iowa (EUA) e de 135% na Zona Norte da Argentina. Os números das últimas cinco safras mostram, portanto, que o Brasil fica atrás dos países mais competitivos para se produzir soja no mundo. A vantagem competitiva da Argentina frente à produção de soja do Brasil é justificada pela maior fertilidade do solo e pela menor incidência de pragas e doenças. A soma dos valores dos insumos (fertilizantes, sementes e defensivos agrícolas) para produzir soja no país vizinho é quase 3,5 vezes menor que a do Brasil.

 

Cálculos do Cepea mostram que, nas últimas três safras (2015/16, 2016/17 e 2017/18), o Custo Operacional Efetivo médio real da produção da soja na região de Sorriso (MT) ficou 11% acima do verificado na média das temporadas 2012/13, 2013/14 e 2014/15 e 33% superior à do triênio (2009/10, 2010/11 e 2011/12). Esse aumento do custo médio de produção da soja se deve às elevações de preços dos defensivos agrícolas, do diesel e de lubrificantes, ao encarecimento de itens de manutenção das máquinas e à alta no custo de oportunidade da terra. Por outro lado, a receita bruta real das últimas três safras cresceu apenas 2% nessa mesma comparação, tendo como consequência uma queda de 14% na rentabilidade em relação ao COE e de 36% na rentabilidade em relação ao custo total (que considera o Custo Operacional Total – COT – mais o custo de oportunidade da terra).

 

Um dado que chama a atenção nos últimos 10 anos é a taxa de crescimento do custo de produção em Sorriso, de 3% ao ano. O principal item que influenciou essa elevação foi o avanço nos gastos com inseticidas, de 23,8% a.a; seguido pelo aumento dos dispêndios com herbicidas, de 8,8% a.a., dos fungicidas, de 7,8% a.a. e da operação mecânica, de 5% a.a. Na outra ponta, o crescimento da receita bruta foi de 2,8% a.a no mesmo período, bem menor que o do custo operacional efetivo, o que resultou em rentabilidade decrescente de 0,7% a.a. para o produtor de Sorriso nos últimos 10 anos.

 

Embora a receita bruta tenha aumentado com a valorização do produto (câmbio, prêmio de exportação e cotação internacional) nessa última década de análise, o custo de produção subiu mais, por conta da elevação do preço dos fertilizantes, da alta do preço do diesel e do uso de defensivos agrícolas seletivos e específicos para o controle de pragas. Assim, embora a margem apresente valor positivo, o montante de curto prazo tem reduzido safra a safra. Ressalta-se que o exemplo acima não considera a depreciação da máquina, os juros sobre o capital investido e o custo de oportunidade da terra, o que sinaliza maior preocupação para a sustentabilidade econômica do produtor de soja no longo prazo.

 

Para contornar a elevação do custo de produção, resta ao produtor buscar o aumento da produtividade. Ajuda também se reunir em cooperativas ou em grupos de compras para aumentar o poder de barganha. Parte amplia a área de produção para gerar economia de escala. Há, ainda, os que intensificam o uso da terra para promover economia de escopo de suas máquinas e terra e os que diferenciam o produto geneticamente modificado pelo não transgênico.

 

A baixa arrecadação do Estado tem levado autoridades a avaliarem a possibilidade de taxar a exportação de commodities agrícolas, na tentativa de minimizar as contas públicas. Medidas como essa podem tonar a produção de soja ainda menos competitiva no cenário internacional.

 

*Esse número foi alterado no dia 07/05/2019 às 15h16.

23/09/2020 - Influência de fatores emocionais gerados pela pandemia sobre a comercialização pecuária - Shirley Martins Menezes 23/09/2020 - O agronegócio, a pandemia e a economia mundial - Geraldo Barros 14/09/2020 - Alta de preço do arroz ameniza, mas está longe de saldar prejuízos das últimas cinco safras - Mauro Osaki e Renato Garcia Ribeiro 01/09/2020 - Mudanças de hábitos de consumo durante a quarentena podem permanecer no pós-isolamento - Fernanda Geraldini Palmieri 16/08/2020 - Crise gerada por covid-19 afeta setor de mandioca de diferentes modos - Fábio Isaías Felipe 03/08/2020 - Brasil rural: Covid-19, renda e auxílio emergencial - Nicole Rennó Castro e Geraldo Sant'Ana de Camargo Barros 28/07/2020 - Demanda fragilizada por covid-19 pressiona valor do etanol, mesmo com menor produção - Ivelise Rasera Bragato Calcidoni 29/06/2020 - A blitzkrieg sobre o Agro: o que esperar? - Heloisa Lee Burnquist 22/06/2020 - Participação asiática na exportação de carne bovina gera otimismo e alerta - Thiago Bernardino de Carvalho 17/06/2020 - Covid-19: oportunidades e desafios no setor de HF - Margarete Boteon 21/05/2020 - Covid-19 e o mercado de insumos agrícolas - Mauro Osaki 22/04/2020 - Exportações do agronegócio brasileiro em meio à pandemia do coronavírus - Andreia de Oliveira Adami 15/04/2020 - A epidemiologia econômica em evidência - Sílvia Helena Galvão de Miranda 31/03/2020 - Sobrevivência de empresa familiar depende de uma sucessão eficiente - Gabriela Garcia Ribeiro 10/02/2020 - Risco de cultivo da segunda safra reduz uso da área no Sul do Brasil - Lucilio Rogerio Aparecido Alves
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado