HF BRASIL/CEPEA: Passados 15 anos, ação coletiva se fortalece, mas setor precisa se unir mais

Clique aqui e baixe o release completo em word!

 

Cepea, 12/09/2018 – Em 2003, a Hortifruti Brasil, publicação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, abordou pela primeira vez o tema de ações coletivas. Na época, a equipe buscou entender como o setor hortifrutícola estava organizado. Foi verificado que poucas eram as instituições atuantes e consolidadas e que havia necessidade de fortalecimento dessas organizações – o que aconteceu apenas para as mais estruturadas, que tinham maior participação e interesse dos integrantes.

 

Passados 15 anos, o assunto volta neste mês à revista e o que se observa é que esse segmento, em geral, ainda precisa se integrar mais, mesmo com o fortalecimento de muitas ações regionais nesse período.

 

Pesquisa realizada pela Hortifruti Brasil em 2018 mostra que 61% dos leitores se mostram organizados de forma coletiva no setor, enquanto que, em agosto de 2003, 59% declaravam fazer parte de alguma organização. No geral, a maior diferença entre o século passado em termos de organização e o início deste é que o modelo passou a ser descentralizado e, portanto, regionalizado e focado nos interesses dos produtores e exportadores locais. Contudo, benefícios mais amplos no Brasil, como pesquisa, crédito e industrialização, acabam perdendo força com a regionalização das organizações.

 

Nota-se que o setor de frutas e hortaliças ainda carece de um poder centralizador efetivo para facilitar a coordenação entre as organizações regionais de produtores/comerciantes e representar os interesses econômicos perante ao governo nacional. E um dos princípios expostos na matéria para se ter uma organização bem-sucedida é ampliar a representatividade por meio de agrupamento das ações coletivas – ou seja, as de menor porte podem se unir a outras para viabilizar projetos de maior escala.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o mercado de hortifrúti aqui e por meio da Comunicação do Cepea, com a pesquisadora Margarete Boteon: (19) 3429 8836 / 8837 e cepea@usp.br.

21/08/2008 - AGRONEGÓCIO: Commodities em alta de novo? - 21/08/2008 - CUSTOS BOI: Análise abril/08
  • Novos caminhos na análise de rentabilidade
  • Criar bezerros dá maior retorno ao pecuarista
  • Preços dos insumos seguem em disparada
  • Alta dos custos persiste e bate novo recorde - 14/08/2008 - AGRONEGÓCIO: O produtor pode ter caído mais uma vez na armadilha dos ciclos de mercado - 05/08/2008 - CUSTOS SOJA: Segundo trimestre de 2008
  • Preço do adubo quase dobra frente ao da safra 07/08
  • Quanto custa produzir soja no BR, AR e EUA? - 05/08/2008 - CUSTOS MILHO: Segundo trimestre de 2008
  • A melhor opção em Londrina é o milho; em Cascavel, trigo
  • Preços externos do milho podem sustentar internos - 05/08/2008 - PIB AGRO MG: Agronegócio da pecuária cresce de forma equilibrada, mas agricultura não segue mesma dinâmica - 31/07/2008 - LEITE: Derivados forçam queda ao produtor em plena entressafra - 17/07/2008 - PIB: Análise do PIB Agro em abr/07 - 15/07/2008 - CUSTOS BOI: Produzir um boi no Brasil nunca esteve tão caro - 11/07/2008 - MACRO: Exportações do agronegócio do Brasil e das suas macro-regiões - 10/07/2008 - PIB AGRO MG: Ritmo de expansão da agricultura diminui em abril enquanto da pecuária aumenta - 10/07/2008 - MANDIOCA: Produção de fécula diminui em 2007, mas receita aumenta - 02/07/2008 - LEITE: Preços têm o menor reajuste desde janeiro/08 - 30/06/2008 - LEITE: Custos aumentam em abril com reajuste de mínimo - 17/06/2008 - PIB: Análise do PIB agro em mar/08 -
  • voltar
    Preencha o formulário para realizar o download
    x
    Deseja receber informações do Cepea?

    Digite este código no campo ao lado