INSUMOS PECUÁRIOS/RETRO 2018: 2018 é marcado por incertezas e instabilidade

Clique aqui e confira o release completo em word.

 

Cepea, 10/01/2019 – O ano de 2018 foi marcado por incertezas e instabilidade para agentes das revendas agropecuárias consultadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Ao mesmo tempo em que os preços dos insumos subiram, sobretudo no período da greve dos caminhoneiros, a demanda esteve enfraquecida na maior parte do ano. No entanto, a determinação das eleições em outubro, o período de campanha de vacinação contra febre aftosa em novembro – quando pecuaristas realizam grandes compras – e o início das chuvas elevaram o volume de vendas no encerramento do ano.

 

1º SEMESTRE – 2018 se iniciou com vendas enfraquecidas, como já era esperado pela maioria das casas agropecuárias acompanhadas pelo Cepea. Comumente, depois do período de campanha contra febre aftosa em novembro/17, o movimento de mercado e o volume de negócio estiveram enfraquecidos nos meses seguintes. 

 

Porém, em maio, as vendas voltaram a crescer, influenciadas pela primeira – e principal – campanha obrigatória contra febre aftosa para o rebanho do País todo. Contudo, agentes foram surpreendidos nesse período pelo aumento da tabela dos preços de medicamentos, em cerca de 10% a 20%. Como as vendas já estavam enfraquecidas no primeiro trimestre, vendedores não conseguiram repassar todo o reajuste do medicamento ao produtor imediatamente, diluindo os aumentos ao longo dos meses.

 

Outro fator que dificultou as negociações nas revendas ainda no primeiro semestre foi a greve dos caminhoneiros no final de maio. Com a falta de insumos, a consequente valorização de alguns produtos – os preços dos medicamentos subiram cerca de 2% de maio para junho em termos reais, deflacionados pelo IGP-DI de outubro/18 – e os aumentos do frete e do dólar, o movimento nas revendas ficou reduzido. 

 

2º SEMESTRE – Com o mercado no aguardo da definição eleitoral, o ritmo de negócios esteve bem lento entre julho e outubro. Nesse período, colaboradores do Cepea relataram dificuldades em negociar altos volumes, já que muitos pecuaristas estavam receosos em realizar grandes investimentos, diante das incertezas política e econômica do País. 

 

Assim, muitos deixaram para adquirir insumos – especialmente medicamentos – em novembro, visando até mesmo aproveitar o manejo da aplicação obrigatória da segunda campanha da vacina contra aftosa. Além disso, mais para o final do semestre, agentes demandaram adubos e fertilizantes, devido ao aumento sazonal do volume de chuvas nos últimos meses do ano, que favorece a reforma de pastagens. 

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e cepea@usp.br.

voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado