LEITE/RETRO 2018: Greve dos caminhoneiros e competividade da indústria elevam preços em 2018

Clique aqui e confira o release completo em word. 

 

Cepea, 10/01/2019 – Depois de atravessar uma das piores crises em 2017, o setor lácteo pôde respirar um pouco mais aliviado em 2018, segundo indicam pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. O ano foi marcado pela intensa valorização do leite ao produtor, o que esteve atrelado à oferta limitada e à maior competição entre empresas para assegurar a compra de matéria-prima.

 

Os baixos preços no final de 2017 fizeram com que muitos produtores saíssem da atividade e/ou diminuíssem os investimentos, resultando em queda na produção. Diante disso, de janeiro a junho, o preço do leite (“Média Brasil” líquida) subiu 26,2% em termos reais (deflacionado pelo IPCA de novembro/18). De maio para junho, contudo, o aumento foi de apenas 2%, mostrando uma desaceleração do movimento altista, mesmo às vésperas da entressafra. Esse contexto indicava que os preços dos derivados haviam atingido patamares difíceis de serem absorvidos pelos consumidores. 

 

Em maio, a greve dos caminhoneiros alterou a dinâmica do mercado lácteo. A paralisação interrompeu a captação e a produção foi descartada. Dados da PTL mostram que, no segundo trimestre de 2018, a captação caiu 3,2% em relação mesmo período de 2017 – só em junho, a queda na captação foi de 9,2%. Além de impactos no curto prazo, a greve também se refletiu no longo, tendo em vista que o fornecimento de insumos foi interrompido, prejudicando o ciclo produtivo das vacas e a produtividade. No período pós-greve, o Cepea observou forte disputa por matéria-prima entre empresas, tanto para normalizar as atividades quanto para aproveitar o movimento de valorização dos lácteos nas prateleiras. Os contratos firmados entre indústrias e produtores sustentaram o movimento altista nos meses seguintes.

 

De janeiro a agosto, a “Média Brasil” líquida do leite ao produtor subiu 50,3%. Quanto ao UHT e ao muçarela, as valorizações foram de 39,5% e de 28,3%, respectivamente. 

 

Já em setembro, o preço caiu 5,1% em relação a agosto, movimento sazonal e, portanto, já esperado pelo setor. O diferencial de 2018 em relação aos anteriores é que, apesar da produção ter crescido ao longo do ano, o volume ainda era limitado, devido à conjuntura de desestímulo e ao atraso das chuvas no Sul e Sudeste. Assim, a demanda enfraquecida – devido ao menor poder de compra da população – foi o principal fator de pressão.

 

Entre outubro e novembro, atacados e varejos forçaram a desvalorização do leite UHT numa tentativa de aquecer a demanda geral, via redução de preços de itens importantes da cesta de alimentação do brasileiro. Aliado a isso, o período chuvoso e a ligeira queda nas cotações do milho favoreceram a elevação da produção. Assim, o preço médio do leite ao produtor registrou, em dezembro, queda de 9,4%, a mais intensa do ano. De janeiro a dezembro, o preço médio do leite foi de R$ 1,2936/litro, 6% superior à de 2017 (em termos reais).

 

CUSTOS – As valorizações de insumos para a ração (como milho e farelo de soja), do sal mineral, dos combustíveis e dos adubos elevaram os custos de produção leiteira em 2018. O Custo Operacional Efetivo (COE), calculado pelo Cepea/CNA, subiu 7,56% em 2018, na “média Brasil”. Como a receita subiu em intensidade maior, especialmente até agosto, as margens foram positivas em 2018, permitindo uma recuperação no caixa do pecuarista, após um 2017 negativo. Vale destacar, contudo, que a valorização de cerca de 30% do grupo de adubos e corretivos encareceu a implementação das forragens e o plantio das silagens do próximo ano.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e cepea@usp.br.

29/04/2020 - ESPECIAL/CEPEA: Em busca de abastecimento diante de coronavírus, varejo intensifica compras de arroz e preço atinge recorde nominal - 17/04/2020 - O Boletim do Leite de abril já está disponível em nosso site! - 15/04/2020 - IPPA/CEPEA: Preços pecuários e de grãos avançam no 1º tri e IPPA/Cepea sobe 13% - 14/04/2020 - ESPECIAL/CEPEA: Da indústria ao campo, coronavírus prejudica toda a cadeia algodoeira - 13/04/2020 - ESPECIAL/CEPEA: Coronavírus não deve prejudicar fortemente o desempenho do PIB do agronegócio - 13/04/2020 - HF BRASIL/CEPEA: HF´s super heróis! - 09/04/2020 - OVOS/CEPEA: Avanço da covid-19 eleva demanda por ovos e preço atinge recorde real - 08/04/2020 - Estão disponíveis as agromensais de março/2020 - 07/04/2020 - ESPECIAL/CEPEA: Setores do agro mais dependentes da demanda doméstica devem ser os mais prejudicados pelos efeitos do coronavírus - 01/04/2020 - GRÃOS/CEPEA: Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea - 31/03/2020 - PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 - 30/03/2020 - LEITE/CEPEA: Concorrência por matéria-prima mantém preço ao produtor em alta - 25/03/2020 - PIB-AGRO MG/CEPEA: Impulsionado por ramo pecuário, PIB do agro mineiro cresce 5,12% em 2019 - 20/03/2020 - O Boletim do Leite de março já está disponível em nosso site! - 11/03/2020 - POLÍTICA AGRO/CEPEA: Brasil tem potencial para ampliar exportações de produtos agrícolas à Liga Árabe -
voltar
Preencha o formulário para realizar o download
x
Deseja receber informações do Cepea?

Digite este código no campo ao lado