PIB-Agro/CEPEA: Dinâmica desfavorável de preços diminui renda do agronegócio

Clique aqui e baixe release completo em word

 

Cepea, 07/08/2017 – O PIB do Agronegócio brasileiro deve se manter praticamente estável em 2017, com ligeira elevação de 0,1% (considerando-se informações disponíveis até abril/17 – PIB-renda). Conforme cálculos do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, feitos em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), a renda do agronegócio tem sido pressionada pelo movimento de preços desfavorável ao setor. 

 

Os valores médios dos produtos do agronegócio cresceram 3,7% a menos que os preços médios da economia, na comparação entre o primeiro quadrimestre de 2017 e o mesmo período de 2016. Por outro lado, as estimativas para o PIB-volume do setor se mantêm positivas, indicando elevação de 3,9% em 2017. 

 

Pela ótica dos ramos, o agrícola segue em destaque, impulsionado principalmente pela maior produção esperada do segmento primário. Nas lavouras, as condições climáticas avaliadas até o momento foram favoráveis, o que, aliado ao movimento de expansão de área e à tendência normal de aumento da produtividade da agricultura, tem levado a boas perspectivas para a safra no ano. Tem-se, então, que a taxa anual estimada para o PIB-volume do ramo é de 6,4%, alavancada pela elevação de 20,4% no PIB-volume do segmento primário agrícola. 

 

No ramo pecuário, a análise referente ao primeiro quadrimestre do ano aponta para recuo geral dos preços, e também do PIB-volume, levando à redução anual estimada de 2,7% no seu PIB-renda. Para volume, verifica-se que o desempenho negativo do ramo se vincula principalmente à agroindústria, mas também ao segmento primário. Quanto aos preços relativos desse ramo, destaca-se a queda real para a indústria de processamento. De acordo com pesquisadores do Cepea, de modo geral, as cadeias pecuárias tiveram como desafio no quadrimestre a fraca demanda interna. Ademais, com os desdobramentos da operação Carne Fraca, as exportações também foram prejudicadas, impactando na disponibilidade dos produtos e pressionando para baixo as cotações. 

 

Clique aqui e acesse o relatório detalhado.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o PIB brasileiro aqui e por meio da Comunicação Cepea, com o prof. Geraldo Barros e a pesquisadora Nicole Rennó: (19) 3429-8836 / 8837 e cepea@usp.br.

11/01/2018 - SOJA/PERSPEC 2018: Oferta se estabiliza, mas alto estoque deve evitar forte oscilação de preço - 11/01/2018 - MILHO/PERSPEC 2018: Alto estoque deve manter pressão sobre valor mesmo com queda de área - 11/01/2018 - CITROS/PERSPEC 2018: Oferta de laranja e de suco pode ser controlada em 2018/19 - 11/01/2018 - MANDIOCA/PERSPEC 2018: Desafio de atrair produtores continua; oferta deve seguir restrita - 10/01/2018 - OVOS/PERSPEC 2018: Após queda em 2017, setor aposta em recuperação das exportações em 2018 - 10/01/2018 - BOI/PERSPEC 2018: Ano de 2018 deve ser melhor, mas com desafios - 10/01/2018 - SUÍNOS/PERSPEC 2018: Para absorver excedente externo, setor deve ampliar destinos - 10/01/2018 - FRANGO/PERSPEC 2018: Com excedente, setor dependerá de bom desempenho das exportações - 10/01/2018 - LEITE/PERSPEC 2018: O que esperar para 2018? - 09/01/2018 - ALGODÃO/PERSPEC 2018: Maior competitividade atrai produtor; área deve crescer neste ano - 09/01/2018 - ARROZ/PERSPEC 2018: Preços baixos reduzem atratividade da produção, mas melhoram consumo em 2018 - 09/01/2018 - CAFÉ/PERSPEC 2018: Maior produção em 2018/19 pode pressionar valor do grão neste ano - 08/01/2018 - AÇÚCAR/PERSPEC 2018: Maior produção em 2017/18 deve reverter cenário de déficit global - 08/01/2018 - ETANOL/PERSPEC 2018: Superávit mundial de açúcar deve favorecer produção de etanol no BR - 08/01/2018 - TRIGO/PERSPEC 2018: Oferta abundante pode pressionar rentabilidade do produtor em 2018 -
voltar